Naturais
Qta. Serradinha Arinto e Fernão Pires 2016 - BIO

Qta. Serradinha Arinto e Fernão Pires 2016 - BIO

Naturais

Arinto, Fernão Pires
18.49 €
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 12
Um verdadeiro vinho de autor. António Marques da Cruz trata de todo o processo pessoalmente, o que se reflete na qualidade estraordinária deste

A Quinta da Serradinha, situada em Portugal nas Encostas calcárias da Serra d'Aire, beneficia do clima suave do Atlântico para produzir vinhos de mineralidade refrescante e grande potencial de envelhecimento.

Vinho Branco feito com as uvas das castas Arinto e Fernão Pires da vinha da Adega, plantada em 1995, exposta a Sul, conduzida pelo Método de Produção Biológico. O mosto é fermentado com as lias e depura pelo batoque, numa adaptação do antigo método Romano, descrito por Virgílio, resultando num vinho branco invulgar, muito encorpado e complexo.

O vinho estagiou 11 meses nas mesmas barricas, em cima de borras finas.

Álcool: 12,2%

Um verdadeiro vinho de autor. António Marques da Cruz trata de todo o processo pessoalmente desde a vinha ao engarrafamento, o que se reflete na qualidade extraordinária deste magnifico e diferente vinho.

É um vinho encorpado, amarelo brilhante, com gosto pronunciado devido ao contacto com as lias e à maceração inicial com a película das uvas. A frescura cítrica e mineral do Arinto em equilíbrio com o frutado do Fernão Pires resulta num vinho ao mesmo tempo ligeiro, elegante mas apetitoso que preenche uma refeição ou apenas um petisco.

É um vinho saudável que ajuda a uma boa digestão.

Quinta da Serradinha - Organic Wines

Foi à volta da Cidade Romana de Collipo, na colina de São Sebastião do Freixo, que se plantaram as primeiras vinhas de Leiria, nos contrafortes da Serra de Aire junto ao Vale do Lis, onde ainda hoje podemos encontrar vinhos que pelas suas características se tornaram particularmente apreciados.

Apesar dos esforços desenvolvidos nos fins do século, a invasão do Míldio e da Filoxera trouxe a devastação total das velhas videiras deixando estigmas que perduraram até hoje. O principal está na substituição de uma produção de qualidade por uma outra baseada na quantidade deixando como lenda vaga a memória do bom vinho que outrora corria dos campos e alimentava as adegas.

Alguns agricultores e comerciantes tentaram porém resistir à experiência trágica que assistia à região, e desde 1870 que desenvolveram um esforço de informação que levou a certos ressurgimentos locais. O desastre da filoxera não destruiu completamente esses esforços e nos fins do século XIX existiam em Leiria estruturas baseadas em práticas familiares que conseguem subsistir.

É o caso, entre outros, da família Marques da Cruz que se dedica à produção e comercialização de vinhos desde então, numa sucessão de gerações.

Nos meados do século XX o negócio teve grande desenvolvimento com a exportação de vinhos para todo o Mundo, e a essa época pertencem alguns dos rótulos mais curiosos da história da família.

Morada

Rua da Serradinha | 2410-338 Leiria
Marcas com que trabalhamos