Colares Branco
Colares Chitas Reserva Branco 2012

Colares Chitas Reserva Branco 2012

Colares Branco

Malvasia
Servir a 10º-12º
Potencial de Envelhecimento
29.38 €
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 12
Existir ainda vinha em Colares é, por si só, algo admirável, porque estamos a falar de um lugar sujeito a enorme especulação imobiliária e onde fazer viticultura é tarefa de titãs.

Resistir à fúria dos ventos marítimos e ao poder corrosivo das partículas de sal e extrair vinho da areia é uma heróica teimosia que perdura desde a chegada dos árabes a Sintra. Heróica porque, além de terem de lutar contra os elementos, os viticultores têm que suportar elevados custos de plantação e manutenção para obterem produções inferiores a duas toneladas por hectare.

O primeiro grande desafio começa com a plantação. Esta exige que, numa primeira fase, seja retirada a areia até ser encontrado, a vários metros de profundidade, o solo argiloso, onde as varas são “unhadas” (entaladas na argila para enraizarem).

As videiras crescem horizontalmente, coladas ao chão, num rendilhado de madeira, e são protegidas da influência marítima através de paliçadas de cana seca e muros de pedra solta. É muito trabalho para tão pouco vinho.
Produzido com a casta Malvasia. “Algo mortiço no aroma, a faltar-lhe a exuberância da fruta fresca, dominam notas erva seca, estará em transição. Muito resinoso e de elevada acidez é branco para a cave onde desenvolverá notas terciárias”.

Aprecie com peixes de forno e queijos de meia cura. Deve servir-se a 12ºC.
Colares de Chitas

António Bernardino Paulo da Silva é um dos mais antigos produtores da região e um resistente à pressão urbanística que invade os terrenos de cultivo. Lutando para manter a tipicidade do seu vinho, este produtor é o baluarte de um dos mais preciosos néctares do mundo.
Marcas com que trabalhamos